menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor

  Outras Alavancas

Prof. Luiz Ferraz Netto
leobarretos@uol.com.br

Objetivo
Mostrar outros tipos de alavancas, suas aplicações na vida prática e experimentar novamente com o efeito do momento.

Material
Tábua-base (25 cm x 6 cm x 2 cm)
Tábua (25 cm x 3 cm x 2 cm)
Arame de 12 cm e
f 3 mm
Fita de lata de encaixotar ou mola
Chave de fenda

Construção

- Na tábua maior, faça dois furos de f 3 mm a 2 cm da extremidade e separados de 4 cm.

- Faça um furo a 2 cm da extremidade da tábua menor, no sentido da largura.

- Dobre o arame em forma de U (depois de introduzido no furo da tábua pequena) e encaixe as extremidades nos furos da tábua maior. Esse arame servirá de eixo e fulcro para a alavanca; uma espécie de 'dobradiça'.

- Pegue 25 a 30 cm de fita de lata, enrolando-a em camada sobrepostas numa chave de fenda. Tire-a da chave de fenda e empurre a parte central para fora, a fim de fazer uma mola de 3 cm de altura. Se você dispõe de um pedaço de mola cilíndrica em espiral essa fase poderá ser dispensada. Entretanto, é útil para o aluno ver como se pode fazer uma mola com essa técnica.

Procedimento

- Coloque a mola na posição A e faça os alunos observarem a força de que se necessita fazer para abaixar a ripa apertando-a em A, em B e em C.

- Passe a mola para a posição B e repita a experiência, observando as diferenças.

- Repita a experiência com a mola na posição C. Faça-os observar que com a mola na posição C (a que fica mais perto do fulcro) o esforço feito na ponta da ripa (A), para baixá-la, é o menor de todos.

- Aproveite a experiência para mostrar os três tipos de alavancas: quando se faz força em A (com a mola em B); quando se faz força em B (com a mola em A); ou como na experiência anterior (no 035).

- Faça os alunos aplicarem estes conceitos a aparelhos que fazem parte da vida deles (maçanetas de portas, as próprias portas, as chaves, o abridor de garrafas etc., incluindo o próprio corpo humano.

Dependendo da 'abertura' que a classe permite, o professor poderá nomear os tipos de alavanca como "interfixa" (como no experimento 035), como "inter-resistente" (mola em B e apertar em A) ou "inter-potente" (mola em A e apertar em B). Com isso, discutir os tipos de alavancas como o braço, as pernas, as mandíbulas, o pescoço etc.



Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1