menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor

 Receita para fazer oceano

Prof. Luiz Ferraz Netto
leobarretos@uol.com.br

Tem oceano para todos ... é uma festa!
A Terra tem um oceano. Sua bola de material sólido é coberta por uma película de umidade. No mínimo, trata-se de uma película pelos padrões planetários. Mas, para nós, é um bocado de água, chegando mesmo perto dos 12 km de espessura em alguns lugares.

Veja como as coisas têm seu ponto de vista: o diâmetro da Terra é algo maior que 12 000 km, então, a espessura líquida de 12 km representa, no máximo, 0,1% desse diâmetro. É sem dúvida uma película!
Os humanos têm por altura média 1,6 m que, perto dos 12 km de espessura líquida, representa algo como 0,01%. Somos menos do que uma película comparados com a espessura dessa parte do oceano e, nem temos palavras para nos comparar ao diâmetro da Terra!

A superfície terrestre aflora através do oceano em alguns lugares; mas os continentes e as ilhas compõem apenas uns 25% da superfície global.


A superfície global

Ingredientes para fazer oceano
Será esta distribuição uma situação comum? Devemos esperar que todo planeta possua um oceano? E será esse oceano um oceano de água, como o da Terra? Ou será o oceano uma coisa rara?
Para respondermos à pergunta, consideremos inicialmente quais são os requisitos de um oceano.

Primeiro, ele precisa ser feito de uma substância que seja líquida à temperatura e à pressão na superfície do planeta.
Segundo, ele deve ser de uma substância que seja cosmicamente comum, de modo que dela se encontre, no planeta, o suficiente para fazer um oceano.

Não existem muitos elementos que sejam cosmicamente comuns. Somente quinze podem ser selecionados: hidrogênio, hélio, carbono, nitrogênio, oxigênio, neônio, sódio, magnésio, alumínio, silício, cálcio, enxofre, argônio, ferro e níquel
Eis nossa 'dispensa cósmica':

Nenhuma substância, que não seja um destes quinze elementos, ou um composto feito de dois ou mais destes quinze elementos, tem a possibilidade de estar presente, em qualquer planeta, em quantidade suficiente para fazer um oceano.
Se começarmos com estes quinze elementos, poderemos predizer que combinações formaremos?

Para começar, o hélio, o neônio e o argônio (gases nobres) não entram em combinações com outros elementos, nem consigo mesmos. Constituem a casta da nobreza! Eles permanecem sempre não combinados. São insociáveis, não se misturam com os plebeus!

A seguir, o hidrogênio é o componente predominante da mistura cósmica, compondo 90% de todas as coisas do Universo. O hidrogênio combina-se com os outros elementos de maneira mais ou menos livre; mas, mesmo que ele o fizesse com todos os outros materiais disponíveis, ainda assim sobraria grande parte dele sem se combinar.

Dos outros elementos, o carbono, o nitrogênio, o oxigênio e o enxofre combinam-se facilmente com o superabundante hidrogênio, para formar substâncias como: metano, amônia, água e sulfeto de hidrogênio. Não se assuste com os nomes. O conhecimento e propriedades de cada um deles virá com a nossa Ciência. Queremos que você entenda o porque de um oceano de água aqui na Terra.

O oxigênio também tende a combinar-se com o silício, que, por sua vez, tende a combinar-se com o sódio, o magnésio, o alumínio e o cálcio, para formar “silicatos”, o material de que é feita a crosta rochosa da Terra.

Está vendo? Agora você já sabe onde está pisando, o seu porque e de que é feito. O mundo da Ciência é fantástico ... fantasticamente humano!

O ferro e o níquel também podem ser encontrados nos silicatos, mas a tendência para isso é mais ou menos pequena, e a mistura ferro-níquel ( na proporção de 9 para 1 ) tem a possibilidade de não se combinar.

Vemos, pois, que a possível receita para a manufatura de um oceano precisa incluir os seguintes ingredientes: hidrogênio, hélio, neônio, argônio, metano, amônia, água, sulfeto de hidrogênio, silicatos e ferro-níquel.

Selecionando os ingredientes
Os quatro primeiros desta lista são gases, que só se tornam líquidos lá pelos -170 graus célsius. Estão descartados. Os dois últimos da lista são sólidos, que só se tornam líquidos acima dos 1 000 graus célsius. São bons para crostas mas não para oceano.

Restaram metano, amônia, água e sulfeto de hidrogênio. Estas são as únicas substâncias disponíveis em escala cósmica que podem ser líquidas sob condições razoáveis, e que podem estar presentes em quantidades bastantes para formar um oceano.
Veja como elas se formam:

Para que um oceano exista, um planeta precisa ser suficientemente grande ( para apresentar força gravitacional adequada) e suficientemente frio (para reter os componentes sólidos da crosta), ou suficientemente quente. Os requisitos são bastante rígidos.

Para a Terra, com sua massa e sua distância ao Sol, o material adequado e abundante foi e é a água.

 


Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1