menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor

              Ilusões ópticas

Prof. Luiz Ferraz Netto
leobarretos@uol.com.br

Temas

Notas finais


Você sempre
acredita no 
que vê?
============

Observando esta co-
luna, você concorda
que:


O diâmetro do prato é maior que a altura do copo?



Ambas as figuras são idênticas?



O vermelho e o preto são iguais em área?



A linha azul nos dois desenhos têm o mesmo comprimento?



A figura azul é a que tem altura e largura iguais?



Essa não é uma espiral, mas uma série de círculos completos?



A linha central no chapéu azul, e não no chapéu vermelho, tem a metade da largura?



Este cubo reversível pode parecer estar descansando sobre sua base ou pendurado no ar?



A face de cada lente tem a mesma curvatura?



Todos os quatro círculos têm o mesmo tom de azul?



A linha vermelha e a linha azul têm o mesmo tamanho?



As linhas vermelhas formam quadrados perfeitos?



As linhas pretas têm o mesmo comprimento nas duas figuras?



A distância entre a ponta da estrela e a ponta do losango mais próximo é igual ao comprimento do losango?



Pode parecer que estamos olhando para baixo ou para cima da escada?



As interseções das listras brancas não são mais escuras?



As linhas vermelha e azul são do mesmo comprimento?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Os sentidos e os seus órgãos

Os sentidos servem às diferentes formas de percepção. Informam-nos quer sobre o mundo exterior (informações objetivas), quer sobre as condições do nosso próprio corpo (informações subjetivas). A visão ¾ um dos cinco sentidos (os outros são a audição, o olfato, o paladar e o tato)  ¾ é um dos sentidos que designamos como exteriores. Para ver, o homem possui órgãos dos sentidos altamente especializados: os olhos. Estes podem ser sensibilizados por um fenômeno especial e com eles relacionado: a luz.
O nervo óptico conduz os estímulos provocados pela luz até o cérebro, onde estas informações são reunidas e assimiladas. Uma sensação, em primeiro lugar, nada mais é do que a percepção de uma alteração no estado do próprio aparelho nervoso dos sentidos. Com base na experiência adquirida, o homem interpreta então o que captou no mundo exterior; atribui, por exemplo, a cor por ele percebida a uma coisa objetiva existente.
Os órgãos dos sentidos possibilitam ao homem o contacto com o mundo exterior. Todos eles se encontram organizados segundo o mesmo princípio: as células dos sentidos estão ligadas a filamentos nervosos que conduzem ao interior do organismo. Basicamente, estes nada mais são do que o início das fibras nervosas que transmitem as impressões ao cérebro, após o que este ordena e avalia a informação recebida.

Voltar aos temas


O maravilhoso trabalho dos olhos
Nenhum outro órgão do corpo humano apresenta, não obstante as suas diminutas dimensões, uma estrutura tão complexa como os olhos.
Se com o indicador e o polegar formarmos uma 'circunferência', obteremos o diâmetro aproximado destes órgãos, capazes de receber, simultaneamente, milhão e meio de impressões. Durante o dia, os olhos movem-se mais de 100 000 vezes para receberem as ondas de luz que os atingem. Se considerarmos que 80% de todas as impressões sensoriais captadas pelo homem são de natureza óptica, reconheceremos que os olhos realizam um árduo trabalho. 
Seis músculos de pequenas dimensões, mas extremamente fortes, realizam o trabalho mecânico. Se pretendêssemos estabelecer uma comparação entre estes e outros grupos de músculos existentes no corpo humano, como os das pernas, o trabalho diário realizado pelos músculos dos olhos corresponderia a uma dupla maratona das pernas.
Os movimentos dos olhos, um dos pressupostos básicos da visão, representam, de fato, um fenômeno maravilhoso. O globo ocular, que tem as dimensões de uma bola de pingue-pongue, é acionado pelos músculos que se encontram na parede óssea da órbita. A sua atividade permite ao homem abranger os objetos que se encontram em várias posições no espaço, de modo que esses mesmos objetos sejam nitidamente representados na retina na sua posição correta.
Com o auxilio dos músculos, os olhos podem mover-se para cima e para baixo, para a direita e para a esquerda 
¾ para o que o globo ocular gira em torno de um eixo contínuo e imaginário ântero-posterior  ¾, podem sair levemente da órbita e ainda se recolher um pouco.
Os movimentos dos olhos processam-se em torno de um centro de rotação situado um pouco atrás do centro do globo ocular. Nunca dois dos seis músculos de cada um dos olhos trabalham contraditoriamente: os músculos retos, externo e interno, fazem com que os olhos se movam para a direita e para a esquerda. Os músculos retos superior e inferior, assim como ambos os músculos oblíquos, fazem com que os olhos se movam para cima e para baixo ou rodem (figs. 1 e 2).

Apenas seis músculos se encontram ligados a cada um dos olhos do homem. Um número ínfimo, mas suficiente para que ambos os globos oculares se movam de modo a permitirem que, independentemente da direção do olhar e da distância a que o objeto se encontra, uma imagem deste se forme simultaneamente na retina de ambos os olhos.

Para que a visão seja possível, o trabalho conjunto de ambos os olhos reveste-se de grande importância. Faça uma pequena experiência em frente do espelho: quando levanta um dos olhos, o outro automaticamente eleva-se também, não sendo possível baixá-lo. 
Mais ainda: se um dos olhos se virar para fora ('afastando-se' do nariz), o outro se volta paralelamente para dentro ('aproximando-se' do nariz); é impossível a ambos os olhos moverem-se simultaneamente para fora. Para dentro o caso é diferente. Fixe um objeto com ambos os olhos. Quanto mais perto o objeto se encontrar, mais acentuada se torna a convergência. Os olhos convergem, mas não divergem!
Para levar a cabo o complexo trabalho que representa a visão diária, os olhos dividem engenhosamente as tarefas, alternando as vezes em que cada um recebe cerca de 90% de todas as impressões. No período de descanso, durante o qual recupera, o olho que se encontra de momento aliviado contribui ainda com cerca de 10% da sua potência.

Voltar aos temas

Funcionamento dos olhos
O olho humano é constituído pelo globo ocular, a que corresponde um aparelho óptico provido de uma lente,
e por uma série de órgãos coordenados: pálpebras, conjuntiva, glândulas lacrimais, músculos e nervos, bem como o nervo óptico, que está atrás do globo ocular e se prolonga até ao centro da visão, no cérebro.
Os olhos podem comparar-se a uma máquina fotográfica (*). Quando os raios de luz encontram a córnea e a penetram, são refratados pela primeira vez. Atravessam então a câmara anterior, que contém o humor aquoso, atingindo o cristalino e o humor vítreo. O cristalino converge (**) então os raios luminosos que o atravessam. Após ter atravessado o humor vítreo, a luz encontra a retina, que constitui a membrana mais interna das três que formam a parede do globo ocular. As verdadeiras células da visão encontram-se na retina, que se transforma no nervo óptico. A imagem que surge nesta membrana é levada, como um impulso, até ao centro da visão, situado no lobo occipital do cérebro (fig. 3).
[(*) A comparação, numa escala de tempo, é improcedente; obviamente, a máquina fotográfica é que pode ser comparada ao olho.]
[(**) A córnea é a principal 'lente' do globo ocular, colocando, em termos de refringência, o cristalino em segundo plano. **
Clique aqui** para saber mais detalhes sobre isso, na Sala 19, Leituras Recomendadas.] 

Devido aos 7 milhões de células em cone que se encontram na retina, os olhos são capazes de perceber as cores, ou melhor, os diferentes comprimentos de onda da luz, como sensações heterogêneas.
Para a visão de penumbra (visão de crepúsculo), a retina contém ainda cerca de 123 milhões de bastonetes, ocupando uma superfície total de apenas 5 cm2 (fig. 4).

Embora apresente apenas 5 cm2 de área, a retina possui, no entanto, cerca de 130 milhões de células fotossensíveis. Quanto mais juntas se encontrarem estas células, maior será normalmente o poder visual. No local de maior poder visual, o homem possui cerca de 166 000 células por milímetro quadrado. O busardo (**) tem mesmo mais de 1 milhão.
(**)
busardo   sm Ornit   (fr busard): Nome dado na Europa a certas espécies de aves falconiformes, que ocorrem naquela região, como, por exemplo, as espécies Circus aeruginosus e Pernis apivorus que se alimentam principalmente das larvas de vespas.  (Michaelis online)

Os olhos não diferenciam apenas as várias intensidades e formas da luz, mas percebem também, separadamente, os raios luminosos enviados de pontos isolados do objeto. Deste modo, é-nos possível apreender visualmente a forma de um objeto. Na membrana sensível que constitui a retina são projetadas imagens menores e invertidas dos objetos emissores da luz: o que no objeto está à direita encontra-se à esquerda na imagem projetada na retina, e o que no objeto se localiza na parte superior encontra-se na imagem em baixo (fig. 5).

Mas por que razão nós vemos o objeto 'direito', se este se encontra invertido na imagem da retina? Na realidade, os olhos não vêem, mas reconhecem a imagem; porém, só depois da transmissão desta ao cérebro temos consciência dela já na sua posição correta, uma vez que o cérebro inverte novamente a imagem.
Para que na retina os objetos próximos sejam focados o músculo ciliar pode acentuar a curvatura do cristalino. Objetos que se encontram a distâncias diferentes não podem ser percebidos pelos olhos distinta e simultaneamente. 
Uma pequena experiência pode demonstrar esta afirmação: Mantenha, a uma distância de cerca de 40 cm, um véu transparente diante dos olhos. Por detrás do véu, a uma distância de cerca de 50 cm, encontra-se uma palavra escrita. Sucessivamente, pode ver focado, quer os fios do véu, quer as letras da palavra. No entanto, nunca pode ver ambos nítida e simultaneamente.
Além disso, os olhos podem ainda, alterando a abertura da pupila, acomodar-se a diversas intensidades de luz. Com este fim, possui a íris 
¾ de que a pupila é a parte central  ¾ dois músculos: um dilata e o outro contrai a pupila. A íris, extremamente sensível à luz, diminui com uma crescente intensidade desta e aumenta com uma intensidade decrescente.
O sistema óptico dos olhos, que também funciona de uma forma maravilhosa, acusa numerosas imperfeições. Estas, juntamente com os erros de transmissão que se verificam entre os olhos e o cérebro, assim como as falsas interpretações transmitidas por este, explicam a existência de ilusões ópticas.
Nos olhos existe o que é denominada a 'ponto cego'. Por esta expressão se designa a zona em que o nervo óptico penetra na retina.
Como, neste ponto, a retina não pode ter células fotossensíveis, não ocorre aqui qualquer sensação de luz. A mancha cega apresenta de diâmetro 1,5
¾1,7 mm aproximadamente.
Experiência: feche o olho direito e fixe o ponto da direita com o olho esquerdo a uma distância de cerca de 25 cm (fig. 6). O ponto da esquerda torna-se invisível.

Para encontrar a distância certa, aproxime lentamente os olhos do monitor de vídeo. Então, a determinada distância, o ponto desaparece  ¾ apenas enquanto a imagem recai precisamente no nervo óptico  ¾, surgindo depois com uma maior aproximação.

Voltar aos temas

Ilusões sensoriais
A ilustração abaixo reproduz a espantosa espiral de Fraser (fig. 7). Este desenho constitui já uma ilusão óptica, pois não se trata, de modo algum, de uma espiral, mas de uma sucessão de pequenos círculos concêntricos que se vão tornando progressivamente maiores. 

Pode facilmente realizar esta experiência. O efeito de espiral é provocado pelas linhas mais grossas pretas e em forma de espiral.
Como é isto possível? O que acontece com uma "ilusão óptica" deste gênero?
As ilusões sensoriais verificam-se quando a percepção não se conjuga com a realidade. As ilusões sensoriais normais 
¾ conseqüentemente não provocadas por estados doentios  ¾ são, na estrutura e no modo de funcionamento dos respectivos órgãos, fundamentadas, do mesmo modo que nos processos psicológicos, através de impressões sensoriais associadas apenas a percepções. São, pois, fenômenos concomitantes regulares e não interrompidos de percepções sensoriais.


Aproxime o desenho de seu rosto, até o nariz tocar a tela, para fechar a ponte.

Na maioria das ilusões ópticas não se verificam ilusões reais dos sentidos, mas ilusões que surgem da interpretação habitual de um objeto  ¾ uma interpretação que, contudo, não é exata para o caso em questão e, conseqüentemente, é falsa. Neste caso, a impressão do sentido da visão, isto é, o registro óptico, é inteiramente correta, verificando-se a ilusão apenas no cérebro.
Falemos de imperfeições oculares. Ocorrem, por exemplo, erros de imagens geométricas que são percebidas nos olhos como pontos (objetivos) ou estrelas (subjetivos), devido a imperfeições do cristalino.

Voltar aos temas

Contrastes
Se perguntarmos a 100 pessoas o que o conceito "contraste" lhes sugere, 82 responderão: "Claro-escuro." De fato, as diferenças de claridade (e de cores) estão mais fortemente ligadas à nossa noção de contraste.
Falemos agora do que normalmente designamos por contrastes psicológicos. Por eles entendemos as influências recíprocas de sensações ópticas, quando os estímulos luminosos apresentando intensidades e cores diferentes atuam, simultaneamente ou com um pequeno intervalo, sobre os mesmos pontos da retina. Assim, uma mancha um pouco mais clara aparece ainda mais clara junto de zonas mais escuras e vice-versa.
Realizemos, para o comprovar, duas pequenas experiências. Duas maçãs pretas: uma está sobre um fundo branco e a outra sobre um fundo cinzento (fig. 9). 

A primeira parece inequivocamente mais escura. O mesmo se passa com os dois ratos (fig. 10). 

Um encontra-se sobre fundo branco e o outro sobre fundo preto. O rato sobre fundo branco parece nitidamente mais escuro.
Com efeito, em ambas as experiências a claridade objetiva das maçãs e dos ratos é igual. A impressão de luz sobre os nossos olhos não depende apenas da intensidade luminosa do próprio objeto, mas também do meio que o rodeia (contraste de superfícies). 

Veja atentamente a figura 11. Qual dos dois triângulos é mais claro? 

(Ambos são igualmente claros. De acordo com o contraste de superfícies, o triângulo cujos vértices penetram nos círculos negros parece mais claro.).
Para além dos contrastes de superfícies, existem ainda os chamados contrastes de margem, que aparecem no limite de várias superfícies claras. Se repararmos no gradeamento contrastante (fig. 12), vemos, nos cruzamentos das traves brancas, pontos cinzentos.

Esta ilusão de contraste também acontece se, em vez das traves brancas, fixarmos as negras.
Este fenômeno, descoberto há mais de 100 anos, é também um fenômeno subjetivo. Aqui são observadas diferenças de claridade que não existem objetivamente.

Agradeço à Michael Bach o exemplar acima, obtido a partir de
< http://www.michaelbach.de/ot/mot_spoke-illusion/index.html >.
Observe que o sombreado em cinza gira no sentido horário ... e os raios 'aparentam' girar em sentido anti-horário. Pode-se controlar o liga/desliga, + velocidade, - velocidade, + tom de cinza, - tom de cinza e os raios da roda.

Voltar aos temas

Ilusões por persistência de imagem
A influência de um estímulo luminoso na retina provoca uma sensação luminosa. Em conseqüência da inércia, decorre um determinado intervalo de tempo até a retina ser impressionada. Por outro lado, a excitação sobrevive ao estimulo provocado durante um breve período. É por essa razão que um fósforo aceso se assemelha a um círculo de fogo logo que desaparece com uma certa velocidade: após cada impressão óptica a imagem do objeto permanece visível ainda durante algum tempo.
Se a impressão luminosa for intensa, a hiperexcitabilidade da retina provoca o cansaço e pode de tal maneira reduzir-se que distinguimos uma mancha negra da forma do objeto visto 
¾ o que designamos por persistência de imagem negativa.
Durante um curto intervalo de tempo fixe uma janela com traves claras. Feche, depois, os olhos. Na persistência de imagem aparecem os vidros claros e as barras escuras; a persistência de imagem é fiel ao modelo.
Fixe, durante um período mais longo, uma janela e olhe depois para uma parede cinzenta e regularmente iluminada. Na persistência de imagem, as traves da janela aparecem claras.
Podemos obter persistências de imagem positivas e nítidas quando de noite apagamos uma lâmpada clara. Na sala escura, a imagem da lâmpada permanece durante algum tempo diante dos olhos.

Com uma luz clara e durante 30 segundos, olhe para a metade esquerda da figura 13. Logo a seguir fixe o lugar marcado (ponto) da metade direita da mesma figura.

Fixe, durante 30 segundos e com luz clara, a imagem da esquerda da figura 14 e logo a seguir olhe para a da direita. Verá uma persistência de imagem colorida: o fundo vermelho aparecerá agora na sua cor complementar, o verde, e a face branca tornar-se-á ligeiramente avermelhada, devido à impressão de contraste.

As persistências de imagem podem também ser multicoloridas. Com a ajuda da figura abaixo, façamos uma experiência. Para isso fixemos durante 30 segundos o ponto branco que se encontra no meio da bandeira tricolor. A seguir, olhe para uma superfície branca. O que vê?

Voltar aos temas


Visão das cores
As cores percebidas nos objetos dependem dos comprimentos de onda que estes refletem ou emitem. A habitual luz solar pode decompor-se, por meio de um prisma, nas cores principais: vermelho, laranja, amarelo, verde, azul, violeta. Daqui se conclui que todas as cores são geralmente produzidas por uma combinação. Por combinação de cores entende-se, neste caso, não a mistura de pigmentos (como na pintura), mas a combinação de luz monocromática, que na retina provoca a impressão de uma combinação de cores homogênea. Deste raciocínio base desenvolveu-se a teoria das três cores de Young-Helmholtz. Todas as cores se reduzem a três cores base: vermelho-púrpura, verde-azulado, roxo-azulado. Conseqüentemente, devem haver na retina três tipos de fotorreceptores sensíveis às cores base. Cada um destes tipos de fotorreceptores só pode ser estimulado pelas cores base.
Esta teoria foi substituída pelas conclusões de E. Hering. que por cores base E.Mail-Autorou o vermelho, o amarelo, o verde e o azul, tornando assim evidente que as cores base de Young-Helmholtz são já tons misturados.
Segundo Hering, as cores compostas resultam das cores base: contudo, não é possível encontrar mais de duas cores base em qualquer das cores compostas. Hering estabeleceu seis sensações base para três pares: branco e preto, verde e vermelho, amarelo e azul (cores opostas ou complementares).
No conceito "sensação" torna-se claro que a visão das cores é um fenômeno físico-psicológico (o que, aliás, já Goethe demonstrara na sua teoria das cores). Hering explicava o fenômeno fisiológico pela existência de substâncias químicas, e nunca por pares de cores diversas.
Se, durante algum tempo, olharmos um objeto colorido e depois dirigirmos os olhos para uma superfície preta ou branca, aparecer-nos-á uma imitação dos objetos nas cores complementares correspondentes, como os exemplos anteriores nitidamente demonstraram (contrastes sucessivos).

Em 1895 Meyer descreveu um interessante contraste de cores em sombras coloridas: 

"Se colocarmos um lápis perpendicularmente sobre uma folha branca e se de um lado deixarmos atuar a luz solar e do outro a luz de uma vela, obteremos duas sombras coloridas, uma causada pela luz solar branca e a outra pela luz amarela da vela. A sombra causada pela luz solar é iluminada pela luz amarela da vela, mas não aparece branca e sim azul. Adquiriu, pelo efeito de contraste, as cores complementares da superfície iluminada pela vela".

Nós próprios podemos realizar esta experiência. Tenha, contudo, em atenção que a luz do Sol não seja demasiado intensa e que a vela não tenha uma chama demasiado alta.
Os efeitos de contraste são tanto menos perceptíveis quanto menores forem as superfícies influenciadas. Não obstante, surgem variações de cores: cores de superfícies pequenas são alteradas em benefício das cores que as rodeiam; verifica-se então uma espécie de combinação óptica (efeito Bezold).
Se a superfície em redor for mais escura do que a pequena superfície interior, a cor da superfície interior parece também mais escura. Se, em contrapartida, a superfície em redor for mais clara, a cor interior aparecerá aclarada (fig. 15). 

Se as superfícies se tornarem tão reduzidas que deixe de ser possível individualizá-las, as cores combinam-se "aditivamente". As imagens que de diminutos pontos coloridos compõem conjuntos igualmente coloridos baseiam-se neste efeito.

Eis outro efeito interessante:
Observe o painel abaixo. Diga, em voz alta, o nome da cor, não da palavra:  

LARANJA   ROSA   CINZA   VERDE   BRANCO   AZUL   MARROM PRETO   VERMELHO   AZUL   PRETO   ROSA   AMARELO   CINZA LARANJA   PRETO   VERDE   MARROM   BRANCO

O hemisfério direito do seu cérebro tenta dizer a cor, mas o hemisfério esquerdo insiste em ler a palavra.

Voltar aos temas



Movimentos
Os olhos humanos fatigam-se rapidamente se forem obrigados a fixar um objeto. Em conseqüência, verifica-se uma quebra de capacidade e a imagem confunde-se. Se, pelo contrário, deixarmos o olhar deslizar sobre o objeto e evitarmos fixá-lo, a imagem recai continuamente em segmentos da retina. Os músculos dos olhos não permitem apenas seguir o objeto; também asseguram uma percepção correta.

Experimentalmente, demonstra-se que os olhos também se movem quando se fixa insistentemente um objeto. Esta a razão por que determinadas disposições de linhas sugerem movimento (figs. 16-19). Os efeitos de movimentos surgem porque as persistências de imagem concorrem com as reproduções, perante as quais, e devido aos movimentos involuntários dos olhos, aquelas são um pouco proteladas.

Fixe os olhos no ponto central e mova a cabeça 
para a frente e para trás.


Voltar aos temas

Ilusões óptico-geométricas
Todos nós já as conhecemos: triângulos que parecem torcidos, embora os seus lados sejam retos; linhas que aparecem oblíquas umas em relação às outras, embora sejam paralelas, ou ainda o quadrado oblíquo que se prova ser geometricamente exato se o medirmos com uma régua (figs. 20-22). 

Tais ilusões óptico-geométricas surgem freqüentemente da ligação de um padrão geométrico base com linhas retas ou curvas. São causadas pela diferença entre a nossa própria apreciação subjetiva da qualidade geométrica e os dados reais que a régua atesta. As ilusões aparecem com relativa facilidade, pois os olhos e o cérebro, na realidade, nunca registram tais "casos geométricos especiais". São, por conseguinte, necessários treino, aptidão e experiência para compreender e interpretar corretamente dois padrões sobrepostos ou estampados. É-nos impossível separar as qualidades da figura e do fundo. Recorrendo a uma comparação, poderíamos dizer que o padrão que serve de base funciona, de certo modo, como cenário numa peça de teatro (figs. 23 ¾25).

Desde o início, estas ilusões óptico-geométricas têm ocupado cientistas dos mais diferentes ramos - físicos, fisiólogos e 'psicólogos'. No entanto, não se conseguiu, até aos nossos dias, uma explicação correta e indiscutível do fenômeno. 

Mas vejamos mais alguns exemplos representativos:
A direção de linhas retas que interceptam outras segundo ângulos agudos é aparentemente alterada. As linhas retas paralelas (fig. 26) parecem curvas. Se ambas as retas formarem um ângulo agudo (fig. 27), parecerão ainda mais curvas. 

Inclui-se também neste caso o que designamos por deformações do quadrado (convexas, côncavas e prismáticas), assim como o triângulo deformado (fig. 20). A ilusão de Zöllner é também uma ilusão de ângulos: devido a um tracejado oblíquo, linhas paralelas parecem não o serem (fig. 21); assim como circunferência parecem-nos 'ovais' (fig. 28).

Na "ilusão das letras" de Fraser (figs. 29 e 30) verifica-se uma ilusão tracejada como na espiral anteriormente citada (fig. 7).

Voltar aos temas

Ilusões de grandeza
O tamanho aparente de um objeto é permanentemente influenciado por outros objetos que atuam opticamente. Esta influência mútua é igualmente válida para superfícies, distâncias e ângulos. O exemplo mais conhecido é a ilusão de distância, da qual existem numerosas variações (figs. 31-33). Por vezes, essa ilusão não parece sê-lo 
¾ a linha vermelha tem sempre o mesmo comprimento. 

Na gravura 31 inferior a reta vermelha apresenta-se limitada nos seus extremos pelos ângulos interiores, o que a faz parecer menor. Nas bravuras 32 e 33 verifica-se o mesmo efeito.

Voltar aos temas


Ilusões de comparação
As ilusões óptico-geométricas, que em parte derivam da influência de objetos próximos, formam um grupo mais vasto.
A mais conhecida é o exemplo dos círculos rodeados por outros círculos, num caso maiores e noutro menores (fig. 34). Ambos os círculos interiores são iguais. 


Devido às linhas exteriores concorrentes da figura 35, a linha horizontal inferior parece maior do que a superior, quando ambas têm igual comprimento.

Também as duas diagonais dos dois paralelogramos têm o mesmo comprimento (fig. 36).

Voltar aos temas

Preferência pelas verticais
No homem o sentido da visão regula-se mais, na observação dos objetos, pela orientação vertical. A ilusão do chapéu alto (fig. 37) evidencia este fato. O chapéu tem uma altura igual à largura, incluindo a aba; no entanto, o observador julga-o mais alto do que largo.

Voltar aos temas

O impossível
Não se trata, neste caso, de ilusões óptico-geométricas. Os olhos percebem o objeto como ele é na realidade. As contradições nos desenhos resultam do fato de o cérebro procurar interpretar espacialmente o desenho bidimensional. Como, na realidade, não existem objetos com uma tal construção, o observador sente-se embaraçado (figs. 38
¾ 43).

Voltar aos temas

Visão espacial ou estereoscópica
Estas gravuras suscitam a questão da visão espacial: porquê e quando um objeto parece espacialmente bidimensional? De que deriva a noção de perspectiva? São também, neste caso, possíveis as ilusões?

Os dois olhos humanos assumem, um em relação ao outro, uma posição divergente; conseqüentemente, encaramos, de certo modo, o mundo exterior sob dois pontos de vista diferentes. As duas imagens, perspectivamente diferentes, são, no cérebro, unificadas. No cérebro é também percebida, para além das dimensões de comprimento e largura, a dimensão de profundidade. O fenômeno da visão espacial é inconsciente e mais de natureza psicológica do que, estritamente, fisiológica. À percepção do objeto junta-se a comparação com experiências acumuladas. A interpretação e valorização influenciam a imagem psicológica e a sua forma. Na visão espacial surge apenas uma série de ilusões raramente resultantes de razões psicológicas. Em conseqüência de novos conhecimentos, a visão espacial existe, principalmente, apenas num olho; a participação do segundo deve acentuar a profundidade e acelerar o fenômeno da visão.

Faça uma experiência ao seu sentido de perspectiva. Podem estas quatro figuras representar um mesmo corpo? (fig. 44). (Sim, trata-se de um cubo visto de diferentes ângulos.).

Que arestas do cubo se encontram, na realidade, à frente e quais as que se encontram atrás? A resposta nem sempre é inequívoca, porque, neste caso, há uma inversão no jogo: as mesmas arestas percebem-se ora como anteriores, ora como posteriores.

A direção do nosso olhar processa-se em linha reta. Em conseqüência, os objetos parecem diminuir à medida que aumenta a distância que os separa de nós. É por essa razão que nos enganamos quando esta experiência deixa de estar de acordo com este pressuposto. 
Na figura 45 todas as figuras representadas são de iguais dimensões. No entanto, a figura do fundo parece ser a maior. 

O nosso hábito de interpretar corretamente no espaço desenhos em perspectiva leva-nos, nesta figura, a "ver'" as figuras de igual tamanho em relação à perspectiva de profundidade.
A dimensão que nós conhecemos de um objeto, isto é, em geral de todos os objetos que se encontram na imagem, contribui de forma decisiva para o cálculo da distância. Se um objeto de pequenas dimensões (que nós sabemos ser pequeno) nos parece grande, é porque está perto (o que nós sabemos por experiência).
Este conhecimento nós transferimos para objetos pequenos que não conhecemos.
Se, pelo contrário, um objeto afastado nos parece grande, deduzimos que será muito maior. Se esta ilação for falsa, estamos sujeitos a uma ilusão 
¾ como o demonstra a figura acima com as quatro amazonas.

Voltar aos temas

Notas finais
Existem ainda numerosas ilusões ópticas: ilusões dimensionais de acordo com o principio da imutabilidade de dimensão, erros de percepção devidos a uma constante impressão de visão, ilusões provocadas pela graduação de texturas, ilusões provocadas pela repartição da luz e das sombras, ilusões de movimentos, percepções ilusórias, percepções de forma e muitas outras.
Vejamos agora, por um lado, o que se oculta sob o conceito "visão" e, por outro, quais as ilusões a que os olhos e o cérebro estão sujeitos.
Ilusões surpreendentes, assustadoras, estranhas, grotescas, agradáveis e pérfidas acompanham a nossa vida. Pintores e poetas, cientistas e ilusionistas, professores e políticos divulgaram desde sempre, para divertir, assustar, educar ou inquietar o homem, uma gama interminável de desejos, sonhos, esperanças e ilusões. Mas todos eles, mesmo os maiores artistas, os ilusionistas mais perfeitos, foram apanhados na rede das ilusões devidas aos órgãos dos sentidos.

Agradeço aos amigos que se prontificaram, pela leitura, correções e comentários feitos sobre o original desse texto. Em especial, apreciaria destacar a dúvida colocada por um deles, sobre uma das informação que apresento, de modo que, se alguém quiser nos brindar com alguns detalhes teóricos, será de inestimável ajuda.
A informação: "Para levar a cabo o complexo trabalho que representa a visão diária, os olhos dividem engenhosamente as tarefas, alternando as vezes em que cada um recebe cerca de 90% de todas as impressões. No período de descanso, durante o qual se recupera, o olho que se encontra de momento aliviado contribui ainda com cerca de 10% da sua potência."
A dúvida: "Tem certeza quanto à essa informação? Não que esteja errada, mas eu nunca tinha ouvido falar... qual o ciclo da alternância das 'potências'? Dependendo, não seria de se esperar que se repentinamente fechássemos um dos olhos, a imagem ficasse bastante 'escura'?"

Voltar aos temas


Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1