menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor

  Sinais Elétricos - Teoria 4
e suas Formas de Onda

Prof. Luiz Ferraz Netto
leobarretos@uol.com.br

Introdução
Essa Teoria IV do Curso de Eletrônica fará intenso uso dos gráficos Uxt (leia: U versus t) para descrever as formas de onda dos diferentes tipos de sinais elétricos utilizados nos circuitos eletrônicos e campos da eletricidade em geral. Assim, é altamente recomendável alguma leitura sobre gráficos em coordenadas cartesianas. O equipamento mais utilizado para a visualização de tais formas de onda é, sem dúvida, o osciloscópio e, assim, o recomendamos para o aprofundamento prático de tais conceitos.

Tópicos

Conceito de sinal elétrico
Sinal alternado e sua forma de onda
'Ouvindo' algumas ondas
Superpondo ondas
Mais ondas

Conceito de sinal elétrico
Todo circuito elétrico ativo ou passivo necessita de tensão elétrica para funcionar; é a sua alimentação. A finalidade da tensão elétrica aplicada é produzir um campo elétrico na matéria, seja ela condutora ou isolante. Esse campo elétrico ao ser produzido, analisa num intervalo de tempo espantosamente diminuto, as propriedades locais da matéria e, como resultado final disso, teremos ou não uma corrente elétrica circulante.
Se houver corrente elétrica, caso em que a matéria é condutora ou semicondutora para aquela tensão aplicada, sua variação no decorrer do tempo dependerá de dois fatores:

(a)- das propriedades da própria matéria em si e
(b)- do modo de variação da tensão elétrica aplicada.

Para efeito prático, assuma com a palavra 'matéria' a idéia de 'componente elétrico' e, assim, perceberá rapidamente que a variação da corrente no decorrer do tempo, nesse componente, dependerá das propriedades do componente (resistência, capacitância, indutância etc.) e da variação da tensão elétrica aplicada.

Nessa Teoria IV não abordaremos as propriedades típicas dos componentes; isso são teorias distintas, sendo que numa delas (Teoria II), já examinamos a propriedade da resistência elétrica. Aqui abordaremos a variação da tensão elétrica aplicada no decorrer do tempo, à qual denominaremos por "sinal elétrico".
Esse sinal elétrico é uma descrição de como o valor da tensão elétrica (U) varia no decorrer do tempo (t).

Há vários modos de se descrever um acontecimento e, uma simples frase em língua pátria pode muito bem ser um deles; eis uma descrição:

"Veja pessoal, aqui temos um resistor ôhmico de 10k ligado aos terminais de uma pilha comum de lanterna. Se o intervalo de tempo não for muito grande poderemos dizer que a tensão elétrica aplicada a esse resistor permanece constante."

Essa descrição significa: "Para pequenos intervalos de tempo, o valor da tensão aplicada ao resistor não varia".
Essa descrição tem alguns 'pecados', é um tanto imprecisa e limitada, pois não nos informa qual é esse 'valor' da tensão, nem 'quanto' é esse intervalo de tempo, não 'sugere' o que acontecerá se esse intervalo de tempo for aumentando e, como está expressa na nossa língua, quem nasceu e mora, por exemplo, no Japão, não vai entender nada!
Eletrônica é Ciência e, como tal não pode cometer todos esses tipos de 'pecados' --- alguns, vá lá!, como é o caso da língua pátria --- mas os outros, não! Por isso a Ciência tem sua ferramenta e 'linguagem' própria; a Matemática.

Para descrever a variação da tensão no decorrer do tempo, por exemplo, a Matemática lança a mão do conceito de 'função', U = f(t). Leia-se: U é uma função do tempo t. De modo geral, uma função pode ser traduzida em forma gráfica --- o gráfico da função --- num dado sistema de coordenadas. O mais simples deles é o sistema de coordenadas cartesianas com eixos ortogonais entre si. Esses gráficos Uxt , como que uma fotografia de longa exposição, provêem uma técnica útil de descrever como as variações de tensão acontecem. Essa 'fotografia' que o gráfico exibe pode, numa primeira apresentação, receber a denominação de forma de onda. Esse conceito será aprimorado logo adiante.

Para assimilar essa forma de descrever a variação de tensão e seus gráficos (ou suas formas de onda), vamos exemplificar, começando com um 'sinal' de tensão contínua (normalmente indicado por CC ou DC):

Essa linha vermelha horizontal --- forma de onda --- (distância constante do eixo t) é o que se destaca nesse gráfico, mostrando que para qualquer valor da abscissa (t = tempo), do intervalo [0 --- T], o valor da ordenada (U = tensão) é sempre o mesmo. Nessa ilustração acima podemos ler: a 'polaridade' dos terminais onde estamos testando a tensão e o 'valor' dela não variam no decorrer do tempo (pelo menos dentro do intervalo de 0  a T segundos).
Em muitos circuitos elétricos são mantidos níveis de DC fixo, em geral ao longo das trilhas (-) provenientes da fonte de alimentação, ou outros níveis de referências (terra, chassi, neutro, massa etc.) que permitam comparações de sinais.
Compare este gráfico acima com os gráficos Uxt, a seguir, que mostram diversas formas de onda, todas provenientes de sinais alternados ou AC.

Como você pode observar num simples passar de olhos --- e essa é a vantagem do uso dos gráficos em relação a outros modos de estudar a variação da tensão no decorrer do tempo --- os níveis de tensão mudam no decorrer do tempo e se alternam entre valores positivos (acima do eixo dos tempos) e valores negativos (abaixo do eixo dos tempos).
Os sinais com "formas repetidas", caracterizando uma propriedade da tensão, são chamados "formas de onda". São exemplos, as ondas em forma de seno (ou cosseno) ou ondas senoidais, as ondas quadradas, as ondas triangulares e as ondas dente de serra. Uma característica notória das ondas alternadas é o fato de apresentarem áreas iguais, acima e abaixo do eixo dos tempos, conforme destacamos na figura acima.

Voltar aos Tópicos

Sinal alternado e sua forma de onda
Uma onda senoidal tem a mesma forma que o gráfico da função seno (y = sen x) usado na trigonometria --- e isso não é uma simples coincidência. As ondas senoidais são produzidas pela rotação de parte das máquinas elétricas (os rotores) mergulhadas dentro de um campo magnético de indução. Esse é o caso, por exemplo, dos grandes alternadores que, movidos pelas turbinas de estações de potência, despertam tensões e correntes elétricas que são transmitidas aos consumidores com essa forma de onda. Na Eletrônica, as ondas senoidais estão entre as mais úteis de todos os sinais em circuitos elétricos, permitindo testes e avaliações do desempenho de sistemas.

Vamos ver uma onda senoidal mais detalhadamente.

Alguns termos que passamos a definir, são necessários para bem descrever as ondas senoidais e outras formas de onda:

Período (T) - é o intervalo de tempo que denota a repetição da forma de onda em igualdade de condições; é o intervalo de tempo para descrever "um ciclo completo"; ele pode ser medido entre quaisquer dois pontos que correspondem ao mesmo estado em ciclos sucessivos.

Freqüência (f) - é o número de ciclos completos contidos na unidade de tempo. Como cada ciclo se realiza no intervalo de tempo T (período), podemos dizer que a freqüência é o número de períodos necessários para preencher a unidade de tempo. A 'unidade de tempo' no Sistema Internacional de Unidades é o segundo (s) e a 'unidade de freqüência', nesse sistema, é o hertz (Hz): 1 hertz = 1 ciclo por segundo; o período da onda cuja freqüência é 1 hertz é T = 1 s. Desse modo, entre a freqüência e o período valem as relações:

Em Eletrônica trabalha-se, por exemplo, com sinais de freqüência 0,1 Hz, cujo período vale 10 s, com sinais de 1 quilohertz (1 kHz), cujo período vale 0,001 s, com sinais de 1 megahertz (1 MHz), cujo período vale 0,000 001 s, etc.

Amplitude (de tensão) (U) - em eletrônica, a amplitude de tensão de uma onda senoidal é medida de três modos distintos, cada qual com sua finalidade específica ; temos:

(1) - a amplitude de pico (Up) que corresponde ao valor máximo da tensão senoidal função do tempo [ U = Up.sen(2pft) ]. No gráfico cartesiano Uxt  é a medida vertical, do eixo dos tempos (t) até a crista (ou vale) da onda.
(2) - a amplitude pico-a-pico (Upp) que corresponde ao dobro da amplitude de pico; medida vertical entre os máximos valores positivo e negativo da onda; Upp = 2.Up . Em termos práticos essa é, freqüentemente, a medida mais fácil de ser feita.
(3) - a amplitude rms (Urms) é o valor quadrático médio da função seno em relação ao tempo, também denominado "valor eficaz" da tensão, ou ainda, "valor nominal". Essa é a amplitude de maior utilidade na prática eletrônica. Ela se relaciona com as demais amplitudes pelas relações:

Que vem a ser, realmente, as amplitudes rms e qual o porque delas serem tão importantes?

Amplitude rms é o valor da tensão C.C. que entregará ao consumidor a mesma potência média que o sinal de C.A.

Para bem compreender isto, pense em duas lâmpadas incandescentes idênticas conectadas às suas fontes de alimentação, uma C.A. e outra C.C. ajustável, como se ilustra:

O brilho da lâmpada (indicativo da potência) conectada à fonte C.A. pode nos parecer constante; isso é uma falsa impressão e pode perfeitamente ser verificada com o uso de espelhos girantes (veja isso na Sala 14 - http://www.feiradeciencias.com.br/sala14/14_13.asp ). A corrente circulante no filamento da lâmpada não é constante, quer em amplitude quer em sentido e, periodicamente, passa por zero (instante em que o sinal cruza o eixo dos tempos). O que se observa é apenas o 'brilho médio' produzido pelo sinal C.A.

A segunda lâmpada incandescente é alimentada por fonte C.C. e seu brilho é realmente constante porque a corrente é constante e circula sempre no mesmo sentido. Obviamente podemos ajustar o valor da tensão dessa fonte de modo que as duas lâmpadas sejam igualmente brilhantes. Quando isso acontecer, a fonte C.C. estará fornecendo uma tensão que se equipara ao "valor eficaz" da tensão fornecida pela fonte C.A.

Um pouco de matemática será necessário para explicar porque o valor equivalente à C.C. é denominado de 'valor quadrático médio' (em inglês, rms, root mean square). Se você quiser saber algo mais sobre isso basta clicar AQUI. O que é importante nessa fase é recordar que o sinal C.C. e seu equivalente rms da C.A. fornecem a mesma potência média.

Fase (j) - Se você comparar duas ondas senoidais colhidas de fontes diferentes, mesmo que tenham a mesma amplitude de pico e mesma freqüência, poderá reparar que, via de regra, os valores máximos dessas ondas não ocorrem ao mesmo tempo. Um exemplo marcante disso é comparar (através de um osciloscópio de duplo traço) os sinais C.A. colhidos de dois geradores eletromecânicos idênticos. Há um 'deslocamento' temporal entre as duas formas de onda. Quando uma delas está passando pelo valor máximo, a outra pode estar 'quase chegando' nesse valor ou 'já passou' desse valor.
Para bem descrever essas comparações, que no fundo nada mais são que comparar funções senoidais no tempo, é conveniente descrever os vários estados do sinal dentro de um ciclo de operação (ou, dentro de um período de funcionamento). Assim, cada ciclo, em cada instante, poderá ser descrito pelo seu 'estado oscilatório'.

Novamente, aqui, precisaremos de um pouco de matemática, a linguagem oficial da Ciência. Recomendamos, portanto, uma leitura atenta sobre o estudo do "movimento harmônico simples", que pode ser visto na Sala 04, na página: http://www.feiradeciencias.com.br/sala04/04_RE_09.asp .

Visto isso, fica fácil entender porque podemos dividir um ciclo da onda em "graus" (o) ou "radianos" (rad) e assim descrever o comportamento do sinal quer de 'grau em grau' (1/360 do ciclo completo), quer de '90 em 90 graus (de quarto em quarto de ciclo), quer de '180 em 180 graus' (de meio em meio ciclo) etc.
Abaixo apresentamos o estado de uma onda senoidal dividida em 'graus':

Recordemos que as ondas senoidais (sinais de C.A.) são, via de regra, geradas por máquinas dotadas de um rotor, que giram dentro de um campo magnético. Uma volta completa do rotor do gerador de tensão (360o), corresponde a um ciclo da onda senoidal. Conseqüentemente 180o corresponde a meia volta, 90o a  um quarto de volta e assim por diante. Usando este método, algum ponto no gráfico da onda senoidal pode ser identificado por um número particular de graus através do ciclo. É o que se denomina verificar a fase da onda naquele instante.

Assim, se duas ondas senoidais tiverem a mesma freqüência e ocorrerem ao mesmo tempo, como em (A) na ilustração abaixo, diremos que elas estão em fase, ou melhor, em concordância de fase.

Se os estados de duas ondas não são concordantes no tempo, diremos que elas estão fora de fase.
Quando isso ocorre, a diferença na fase pode ser medida em graus e é denominado de ângulo de defasagem (
j). Na ilustração acima, em (B), você pode perceber que as duas ondas estão um quarto de ciclo fora de fase, assim, o ângulo de defasagem entre elas é j = 90o

Voltar aos Tópicos

'Ouvindo' algumas ondas

O significado físico da grandeza freqüência e amplitude poderá ser melhor compreendido se compararmos os sons produzidos quando diferentes sinais C.A. são direcionados para um alto falante. Todavia, como sabemos, nem todas as freqüências são audíveis. A escala de alta fidelidade é definida para a reprodução de sons desde 20 Hz até 20 kHz; aproximadamente a mesma gama de freqüências dos denominados 'sons audíveis', na Acústica. Essa gama vai 'encurtando' com o avançar da idade das pessoas, principalmente no extremo das altas freqüências. Se você não dispõe de um equipamento de alta fidelidade (decente) provavelmente nunca irá desfrutar de toda a gama disponível, por exemplo, nos sinais de TV e FM comercial.

 Significados alternativos
             altura de uma nota musical é o mesmo que sua freqüência
             intensidade ou 'volume' de uma nota musical é o mesmo que sua amplitude

Suas orelhas (até uns tempos atrás deveríamos dizer 'ouvidos') são particularmente sensíveis aos sons na escala média, aproximadamente de 500 Hz a 2 kHz, correspondendo com a escala das freqüências encontradas no discurso humano. Os sistemas de telefone têm um desempenho de alta freqüência pobre mas trabalham eficazmente nesta escala média. Quando você projetar um sistema de alarme, com uma saída audível, é importante manter a freqüência dos sons dentro desta escala média.

Os diagramas abaixo mostram formas de ondas de freqüências e amplitudes diferentes. Esses sinais podem ser reproduzidos em seu sistema de som de seu computador.

Ligue seu áudio e clique nos ícones dos alto falantes , abaixo, para reproduzir cada som:

Som de 250 Hz (Up = 0,5V) Som de 250 Hz (Up = 1,0V)
Som de 500 Hz (Up = 0,5V) Som de 500 Hz (Up = 1,0V)
Som de 1 kHz (Up = 0,5V) Som de 1 kHz (Up = 1,0V)

Estes sinais de ondas senoidais produzem um som de tom 'puro'. Se a amplitude for aumentada (aumente o ganho de seu áudio), o som é mais forte. Se a freqüência for aumentada, a altura do som é mais elevada.

Outras formas de sinal podem geram sons com a mesma altura fundamental, mas soam de forma diferente para nosso sistema auditivo. Compare os sons das ondas senoidais acima com os sinais de ondas quadradas de 500 Hz e de 1 kHz:

Som de 500 Hz (Up = 0,5V) Som de 1 kHz (Up = 0,5V)

Os sons percebidos devido às ondas quadradas soam mais áspero porque o sinal contém algumas freqüências adicionais que são múltiplos da freqüência fundamental. Estas freqüências adicionais são chamadas harmônicos. Os sons provenientes de instrumentos musicais diferentes são diferenciados por seu índice de harmônicos que acompanham o som fundamental.

Voltar aos Tópicos

Superpondo ondas
As ondas senoidais podem ser 'misturadas' com sinais C.C. ou com outros sinais senoidais e, com isso, produzir novas formas de ondas. Veja aqui um exemplo de forma de onda complexo:

O complexo aqui destacado não significa difícil de compreender, denota apenas que não é um sinal 'puro' e sim superposição de vários sinais. Uma forma de onda como a acima ilustrada pode ser pensada como a superposição de dois sinais distintos, um componente C.C. e um componente C.A. Na prática, é bastante fácil separar estes dois componentes; basta usar um capacitor, ele 'deixa passar' a componente C.A. e bloqueia a componente C.C.

Algumas formas de onda, ainda complexas, podem ser obtidas superpondo uma onda senoidal, de uma dada freqüência, com outras ondas cujas freqüências são múltiplos inteiros dessa dada freqüência, ou seja, superpondo ondas harmônicas com a onda fundamental.

Os gráficos abaixo ilustram, de início, a onda fundamental (fo = 0,5 Hz; To = 2s) e seus três primeiros harmônicos de ordem ímpar (f3 = 3.fo = 1,5 Hz; T3 = 0,67s)(f5 = 5.fo = 2,5 Hz; T5 = 0,40s)(f7 = 7.fo = 3,5 Hz; T7 = 0,28s), de amplitudes cada vez mais reduzidas e, a seguir, as superposições desses harmônicos com o fundamental:


  fo = 0,5 Hz; To = 2s                                   f3 = 3.fo = 1,5 Hz; T3 = 0,67s

f5 = 5.fo = 2,5 Hz; T5 = 0,40s                             f7 = 7.fo = 3,5 Hz; T7 = 0,28s

Como podemos observar, quanto mais harmônicos ímpares são superpostos à onda fundamental mais ela nos lembra da onda quadrada.
Este resultado notável, de aplicação bastante ampla, ilustra um princípio formulado pelo matemático francês Joseph Fourier, que diz:

Qualquer forma de onda complexa pode ser construída pela superposição de ondas senoidais puras, harmônicas particulares da onda fundamental.

A onda quadrada, como vimos, as ondas triangulares e as ondas dente-de-serra podem ser produzidas da mesma maneira.

Voltar aos Tópicos

Mais ondas
Esta parte da Teoria IV esboça outros tipos de sinais que você pode encontrar em sua vida profissional. Os circuitos que geram estes sinais são, de modo geral, 'chips' muito práticos (caso do NE555, por exemplo) ou interligação de circuitos integrados específicos.

Ondas quadradas - como o são as ondas senoidais, essas também são descritas em termos do período, da freqüência e da amplitude:

A amplitude de pico, Up, e a amplitude pico-a-pico, Upp, são medidos como você já esperava, seguindo a mesma linha das ondas senoidais. Entretanto, a amplitude rms, Urms, é maior que aquela da onda senoidal (as áreas abrangidas pelas meias-ondas são maiores na quadrada que na senoidal). Para ver isso sob outro ângulo, lembramos que a amplitude rms corresponde aquela da tensão C.C. que entrega a mesma potência que a onda senoidal. Se uma onda quadrada for aplicada a uma lâmpada incandescente, a corrente fluirá durante meio período num sentido e inverterá seu sentido no meio período seguinte; a corrente comuta seu sentido, mas sua amplitude efetiva continua a mesma! A "dose" de energia elétrica fornecida a cada meia período é maior que aquela fornecida pela onda senoidal de mesma amplitude de pico. Assim, a onda quadrada entrega a potência máxima durante todo seu ciclo, de modo que a Urms e igual à Up .
Nota: Se isso lhe soar um tanto desconcertante, não se preocupe, a amplitude rms de uma onda quadrada não é algo de uso tão freqüente como aquela da onda senoidal.

Embora uma onda quadrada possa comutar muito rapidamente de seu mínimo até seu máximo valor de tensão, essa mudança nunca poderá ser instantânea, do mesmo modo que nenhum móvel pode passar instantaneamente de uma velocidade para outra (sempre haverá uma fase de aceleração, por mais exíguo que seja o tempo de transferência).
O tempo de subida do sinal é definido como o intervalo de tempo necessário para a tensão mudar de 10% a 90% de seu valor máximo. Esses 'tempos de subida' são geralmente muito curtos, com durações medidas em nanosegundos (1 ns = 10-9 s) ou microsegundos (1
ms = 10-6 s), conforme vemos na ilustração a seguir:

Ondas de pulso - o aspecto geral é o de uma onda quadrada, exceto que as formas de ondas de pulsos têm toda sua ação se desenvolvendo acima do eixo dos tempos (apenas valores positivos de tensão). No início de um pulso, a tensão muda repentinamente de um "nível baixo" (perto do eixo dos tempos) para um "nível alto" (em geral perto da tensão da fonte de alimentação).

Esse sinal também é reconhecido pela denominação trem de pulsos, caracterizado pela alternância entre um estado (nível) de amplitude nula (ou quase nula) e outro de amplitude máxima, com durações iguais. Quando o tempo de duração em um dos estados é maior/menor que no outro, recebe o nome de trem de pulsos retangulares. Esse tipo de sinal é utilizado sobretudo para a "modulação por largura de pulso" (PWM); também pode ser usado como elemento básico de 'síntese subtrativa' em sintetizadores analógicos. Em Informática, tais sinais são utilizados na transmissão serial de dados em redes de computadores.

Algumas vezes a 'freqüência' de uma forma de onda de pulso (quadrado) é indicada como sua "taxa de repetição"; nada para estranhar, é o seu número de ciclos por segundo, medido em hertz (Hz) ou seus múltiplos.

A fase ALTA do pulso retangular é denominada marca (ou ainda, largura de pulso), enquanto que a fase BAIXA é denominada espaço. Como salientamos, nos pulsos retangulares, marca e espaço não têm duração iguais; a razão (grandeza adimensional) entre os tempos_em_alta (marca) e os tempos_em_baixa (espaço) fica assim definida:

Uma razãomarca/espaço = 1,0 (como na ilustração acima) significa que os tempos da fase ALTA e os da fase BAIXA são iguais; quando a razãomarca/espaço = 0,5 (como na ilustração abaixo, esquerda)) teremos a indicação de que o tempo em ALTA é metade daquele em BAIXA.

Uma razãomarca/espaço = 3,0 (como na ilustração acima, direita)  indica uma fase em ALTA de maior duração, neste caso, três vezes maior que o tempo em BAIXA.

Outro modo de descrever esses variados tipos de forma de onda através da comparação dos tempos das fases em ALTA e em Baixa é através do ciclo ativo ("duty cycle"), assim definido:

Quando o 'ciclo ativo' é menor que 50%, teremos a indicação de que o tempo_em_alta é de menor duração que aquele em baixa.

Um circuito que produza uma série contínua de pulsos é denominado astável, isto é, ele não é 'estável' pois sua saída fica continuamente 'pulando' de nível alto para nível baixo. Esses 'geradores de pulsos' têm larga aplicação em eletrônica (o fabuloso NE555 é um exemplo disso).

Rampas - indicam uma fase da forma de onda onde a tensão é linearmente crescente ou decrescente, como se ilustra:

A grandeza denominada razão de rampa, que descreve com que rapidez a tensão elétrica aumenta ou diminui na unidade de tempo é medida em 'volts por segundo' (V/s). Tais 'subidas' ou 'descidas' de tensão, obviamente não podem continuar indefinidamente; elas cessam quando se atinge o nível de saturação, geralmente um valor perto da tensão de alimentação do circuito. Os 'geradores de rampa', assim como os 'geradores de pulso' encontram inúmeras aplicações na eletrônica.

Ondas triangulares e dentes-de-serra - consistem em formas de onda que são essencialmente 'rampas' de subida e de descida em determinada cadência. Melhor explicando: (a) na onda triangular a amplitude cresce linearmente até um valor máximo da onda e em seguida decresce linearmente até uma amplitude mínima; esses tempos de subida e descida podem ser iguais ou diferentes e (b) na onda dente-de-serra, um caso extremo de onda triangular, temos tempo de subida ou de descida igual a ZERO, caracterizando a onda dente-de-serra descendente e a onda dente-de-serra ascendente. As ondas dente-de-serra têm aplicação decisiva nos circuitos de varredura de osciloscópios e TVs.

Sinais de áudio - Como sabemos, as freqüências das ondas sonoras que podem ser detetadas por nosso sistema auditivo íntegro, pertencem a uma gama cujos limites são função de vários fatores (a idade, por exemplo). A gama, tradicionalmente citada, tem como limites os valores 20 Hz e 20 kHz. Uma onda senoidal dessa gama,  amplificada e capaz de excitar um alto falante, nos dará a impressão de um tom de áudio puro, sem muita 'beleza' musical. Os reais sinais de áudio como os discursos e a música consistem de superposições de muitas freqüências diferentes (ilustração abaixo, à esquerda).

Ruído - Um sinal de ruído (ilustração acima, à direita) consiste em uma mistura de freqüências com amplitudes aleatórias. O ruído pode ter várias origens; um importante, é o ruído térmico (efeito Johnson). Outras fontes de ruído incluem os sinais de rádio (que são detetados e amplificados por muitos circuitos e não apenas pelos receptores de rádio), as interferências por 'chaveamento' de dispositivos (SCR e TRIACs, por exemplo), as trovoadas etc. Os projetistas de sistemas elétricos tentam, no geral, eliminar ou mesmo minimizar tais ruídos porém, outros projetistas, cuidam especialmente de sua produção (geradores de ruídos usados em sintetizadores eletrônicos de música e outros efeitos especiais).

Voltar aos Tópicos

 

 


Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1