menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor


RELATIVIDADE
(Parte X)

Prof. Luiz Ferraz Netto
leobarretos@uol.com.br

As limitações da Mecânica Newtoniana e a teoria da Relatividade Restrita

RELAÇÃO ENTRE ENERGIA E MOMENTO LINEAR

Vamos apresentar agora a relação existente entre momento linear relativístico e energia total de uma partícula. Para tanto, retornemos à expressão do momento linear, (27):

Escrevamos agora as identidades:       g2 - g2.b2 = 1    e     mo2c4(g2 - g2.b2) = mo2c4 

efetuando a multiplicação obtemos:

g2 mo2c4 - mo2g2 b2c4 = mo2c4     .....   (36)

No membro esquerdo reconhecemos que o primeiro termo é igual a   m2c4 = E2   ou o quadrado da energia total da partícula. 0 segundo termo, comparando com a expressão (35), pode ser substituído por p2.c2. Obtemos assim:

E2 - p2c2 = mo2 c4    ....   (37)

Esta expressão pode ser representada graficamente, pois os termos estão entre si como os lados de um triângulo retângulo em que E é a hipotenusa. No gráfico está também representada a energia cinética K dada pela (32).

A expressão (37), além da sua importância em relacionar momento e energia relativística, envolve uma propriedade muito importante. O segundo membro de (37) está ligado a mo que é uma propriedade intrínseca da partícula considerada e a velocidade da luz no vácuo. Assim, este segundo membro tem um valor que é independente do referencial em relação ao qual a partícula é observada - é pois um “invariante”. Assim, para a partícula considerada, a diferença entre o quadrado de sua energia total e o quadrado do seu momento multiplicado pelo quadrado da velocidade da luz tem o mesmo valor em relação a qualquer referencial. Podemos assim escrever:

E'2 - p'2c2 = E2 - p2c2 = mo2 c4  ......  (38)

sendo E’ e p‘ energia e momento em relação a um referencial inercial S’ qualquer e E e p a energia e o momento em relação a outro referencial inercial S qualquer.

A expressão (37) nos revela outro fato importante que se refere a partículas de massa de repouso nula como os fótons (que compõem a luz) e os neutrinos. Estas partículas só “existem” com a velocidade da luz. A relação entre momento e energia para essas partículas é, fazendo mo = 0, em (37):

E = p.c     .....   (39)

Este resultado já foi citado em conexão ao estudo da relação entre massa e energia e foi verificado experimentalmente tanto para fótons como para neutrinos.

Quando a velocidade de uma partícula é muito próxima de c (g » 1) muitas expressões relativísticas se simplificam. Dizemos que uma partícula nessas condições é ultra­relativística e sua energia de repouso é desprezível quando comparada com sua energia total. Esta aproximação é chamada aproximação ultra-relativística. Para uma partícula ultra-relativística:

E ~ pc ~ k
p
~ gmoc
v
~ c
b ~ 1 (cuidado, b - 1 ¹ 0)!


Próxima Leitura: Relatividade - Parte XI - Tabela das fórmulas e Bibliografia

 


Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1