menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor

Registrando os fatos


Observatório Phoenix
Dúvidas e Perguntas?

Uma seção de observação de um astrônomo amador pode ser programada e planejada com objetivos pré-determinados ou apenas uma espiadela, procurando algo interessante.
Algumas vezes o objetivo é mostrar algo a alguém interessado. Pode durar uma, duas horas ou uma noite inteira. Normalmente o que define este tempo é a condição do céu e a dificuldade ou o sucesso de nossas observações.
Em qualquer situação um dos procedimentos com que o astrônomo amador deve se preocupar é o registro de suas observações. Mas por que? Uma espiadela no céu pode ter alguma importância para ser registrada?
Claro! Suponha que você encontre algo nebuloso em determinada região. Você pensa: deve ser uma nebulosa que não aparece no meu mapa, basta verificar em um mapa melhor. No dia seguinte, você tenta repetir a observação e não consegue localizar seu objeto.
Aí começam as dúvidas. Será que estou observando o mesmo campo? Será que ainda não nasceu? Ou já se pôs? Será que o céu está mais poluído hoje e não consigo ver como ontem? Será que o corpo de movimentou? Seria um cometa?

Só um registro pode responder a estas perguntas.

O céu é muito mais dinâmico do que imaginamos e sua imutabilidade é apenas ilusória. Neste movimentado universo precisamos de um registro cronológico.
Este registro não precisa ser nada complicado. Bastam uma folha de papel ou uma agenda, e um lápis.
Para melhores resultados, crie uma rotina de observação: 

Anote a data, a hora, o local e as condições climáticas. 
Como está o céu? 
Completamente limpo ou tem algumas nuvens? 
A Lua está visível? 
Em que fase? 
Está ventando? 
Fazendo frio ou calor?

Onde começar a observação? Siga sua programação ou escolha um objeto de interesse.

Você pode reconhecer as estrelas e identificar a constelação?
Existe algum planeta por perto?
Você consegue identificar o objeto escolhido?
O que você está vendo?
É uma estrela, um aglomerado ou uma nebulosa?

Se necessário recorra aos mapas. Anote as coordenadas aproximadas. Em caso de dúvida faça um diagrama para análise posterior. Um diagrama é especialmente valioso na localização de planetas e seus satélites e pode nos dar a verdadeira dimensão de seus movimentos no céu.

Assim que tiver os dados, anote o que viu antes de mudar de objetivo. Se fizer fotos, anote também a seqüência, tipo de filme, sensibilidade, abertura e tempo de exposição. Depois transfira estes dados para o verso da foto e guarde os negativos. Muitas descobertas são feitas a posteriori, analisando fotos antigas.

Ao contrário dos astrônomos profissionais, os amadores normalmente se dedicam a vários pontos do céu durante uma seção de observação. Esta liberdade permite que ele se deleite com vários tipos de objetos e aumenta muito a chance de descobrir algo "diferente". Na maioria das vezes é apenas um objeto ainda desconhecido para ele, mas já estudado e catalogado, o que não diminui o encanto da descoberta.

Mas fazer tudo isso a cada observação não é meio chato e monótono? No início sim! 
Procedimentos científicos são sempre repetitivos e exaustivamente detalhados, mas são muito valiosos e esta rotina acaba se tornando natural. Em pouco tempo você terá uma massa de dados e o próprio registro nos motivará a fazer mais seções. Várias das observações poderão ser repetidas e muitas dúvidas sanadas. Periodicamente você poderá avaliar seu desempenho, seu aprendizado e seu nível de conhecimento. Esta análise é muito gratificante e de quebra você pode vir a descobrir algo realmente sensacional.

6-dez-2003

Voltar


Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1