menu_topo

Fale com o professor Lista geral do site Página inicial Envie a um amigo Autor

O Tempo
O tempo solar

Observatório Phoenix
Dúvidas e perguntas?

Introdução
Como apareceu a contagem do tempo? Ao observarmos o movimento do Sol e das constelações ao longo dos dias e anos, acabamos por nos convencer que a Terra se move solta no espaço. Galileu foi condenado por tornar pública esta idéia, contrariando todos os conceitos anteriores, onde a Terra era tida como imóvel, no centro do universo. Para medir a duração destes eventos, criamos o conceito de tempo. Em primeiro lugar criamos a hora, dividindo o dia. Usando uma vara fincada no solo, criamos o primeiro gnomon. O trajeto da sombra da ponta deste primitivo relógio de Sol foi dividido em 12 partes, não necessariamente iguais, que permitiu a primeira medição. Assim puderam estimar quanto tempo havia decorrido desde o nascer do Sol, quando estavam no meio do dia, ou quanto faltava para anoitecer.

Quando ficou definido que a noite durava o mesmo tempo, resolveram dobrar a duração do dia, assim um dia, duas passagens do Sol consecutivas, ficou valendo 24 horas. Esta hora foi chamada de hora solar, já que era baseada no movimento do Sol.

O tempo universal
Quando alguém se deslocava de uma cidade para outra, a demora no deslocamento era tão grande, que não se notavam diferenças de tempo. Com o aperfeiçoamento dos mecanismos de medição, como as ampulhetas (relógios de areia), e as clepsidras (relógios de água), e o desenvolvimento dos meios de transporte, estas diferenças foram notadas. Assim apareceu o conceito de tempo local, ou hora local. Com o desenvolvimento dos relógios, mecânicos, eletrônicos e atômicos, hoje sabemos que o dia solar não é constante e o corrigimos para o tempo solar médio. Definimos um meridiano para a contagem de tempo, que é o meridiano de Greenwich, e o chamamos de Tempo Universal, e a partir dele, calculamos a hora local para as outras longitudes. A 180º de Greenwich foi estabelecida a linha internacional de mudança de datas, que passa pelo meio do oceano Pacífico, uma área pouco habitada, de modo a causar menores danos, já que o cruzamento desta linha implica na mudança da data.

O tempo Legal
Você já pensou que confusão se cada prefeito pudesse decretar a hora oficial? E se alguém estivesse viajando no sentido leste - oeste, teria que atrasar constantemente seu relógio, para que ele marcasse a hora certa, e adiantá-lo se a viagem fosse no sentido inverso. Para evitar maiores problemas, apareceu o conceito de hora civil ou tempo legal. O mundo foi dividido em 24 fatias de 15 graus, que chamamos de fusos devido à sua forma, onde cada fatia tinha a sua hora inteira, sem subdivisões. Quando passamos de um fuso a outro, alteramos nossos relógios em horas inteiras. Como a divisão política não segue estas fronteiras, alguns ajustes foram feitos, de modo a melhor atender às necessidades. Dentro deste conceito, o Brasil tem hoje três fusos horários. O fuso de Brasília, que abrange todo o leste brasileiro, um fuso central (Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Rondônia, Pará, Roraima, Amapá e parte do Amazonas) e um fuso ocidental (Acre e parte do Amazonas). Alguns autores adotam um quarto fuso para as ilhas dos arquipélagos de Fernando de Noronha, da Trindade e Martim Vaz e os rochedos São Pedro e São Paulo.

O tempo sideral
Este sistema atendeu às necessidades do mundo, da população, das indústrias, do comércio e dos mercados financeiros. Mas e quanto ao céu? O tempo solar médio não acompanha o movimento das estrelas. Tivemos que criar um novo conceito: o tempo sideral.

Se considerarmos a passagem meridiana do Sol, ao mesmo tempo da passagem meridiana de uma estrela distante, vamos notar que na próxima passagem, a Terra se deslocou, no seu movimento de translação, para um novo ponto da órbita. Neste caso o observador vai verificar que a estrela passa pelo meridiano quase 4 minutos antes do Sol. Isto equivale a um ângulo de quase um grau entre as duas passagens. Claro, nosso ano tem 365 dias, 360º / 365 dá um pouco menos de 1º por dia. Assim, quando tivermos completado um ano e voltarmos à posição inicial, a Terra terá girado 365,25 vezes em relação ao Sol e 366,25 vezes em relação à estrela. Exatamente um dia a mais. Como o tempo sideral é usado somente pelos astrônomos, foi adotada como convenção que a data, em vez de mudar à meia noite, como no tempo legal, é mudada ao meio dia, para que não haja mudança de data durante o seu trabalho.

Então, no equinócio de outono, em torno do dia 21 de março, se iniciam o ano solar e o ano sideral: a zero hora do tempo sideral ocorre no meio dia do tempo solar. Quando atingir o equinócio vernal, em torno de 21 de setembro, o relógio sideral terá ganho 12 horas em relação ao relógio solar, e os dois marcarão a meia noite. O relógio sideral continuará ganhando 3 min e 56,555 seg a cada dia solar, até iniciarem um novo ano no equinócio de outono. Para calcular a hora sideral de Greenwich (GST), de maneira aproximada, para uma determinada data, verificamos quantos meses e dias se passaram desde o ultimo equinócio vernal. Somamos duas horas para cada mês e quatro minutos para cada dia ao tempo universal (GMT). Se o resultado obtido for maior que 24, subtraímos 24 horas e teremos o GST. Este tempo poderá ser facilmente transposto para a nossa longitude (LST), transformando os graus, minutos e segundos (º, ' e ") de arco em horas, minutos e segundos de tempo, e subtraindo ou somando ao GMT, dependendo da nossa posição, se a leste ou oeste de Greenwich. Para um cálculo mais preciso, são publicadas tabelas nos anuários de astronomia, onde são indicados os fatores de correção para cada data, ou são usadas as modernas calculadoras e computadores.

O tempo das efemérides
Quando vamos computar as órbitas de cometas, asteróides ou algum fenômeno celeste, utilizamos ainda um sistema de cálculo do tempo específico para este processamento. O TE, tempo das efemérides, que após corrigido por um fator DT, não está sujeito a flutuações devido às variações de rotação da Terra. Os valores para DT são publicados nos anuários. O tempo das efemérides é obtido somando-se ao tempo universal o fator DT.

Resumindo

Tempo Solar Médio = Tempo médio, medido pela passagem do Sol pelo meridiano local, considerando as variações de rotação da Terra.

Tempo Universal (UT) = Tempo médio para o meridiano de Greewitch, também chamado de GMT (Greenwitch Mean Time) ou GUT (Greenwich Universal Time).

Tempo Médio Local (LMT) = Tempo corrigido para o meridiano local, obtido adicionando ou subtraindo 4 minutos para cada grau de diferença do meridiano de Greenwich.

Tempo Legal ou Tempo Civil = Tempo corrigido para o meridiano local, em horas inteiras, respeitando as fronteiras políticas estabelecidas.

Tempo Sideral ou Tempo das Estrelas (ST) = Tempo obtido pela passagem meridiana de uma estrela, contado a partir do meio dia, do dia do equinócio ou Primeiro Ponto de Áries. É o mesmo usado nas coordenadas das cartas celestes.

Tempo das Efemérides = Tempo uniforme usado nos cálculos, não é sujeito às variações de rotação da Terra.



Copyright © Luiz Ferraz Netto - 2000-2011 ® - Web Máster: Todos os Direitos Reservados

Nova pagina 1